Manual do CTO

As diversas fórmulas da produtividade


Áudio também disponível no Spotify, iTunes, Deezer e Pocket Casts.

Os indicadores mais apropriados para apurar eficácia são, sem dúvidas, aqueles relacionados a produtividade. Eles tratam da relação de alguma variante “desempenho” e de “empenho” e podem estar adaptados para diversos contextos e analisados sob diversas perspectivas.

Metas relacionadas a alguma variação de produtividade são sempre apropriadas e refletem a boa gestão.

A produtividade cresce quando aumentamos o “desempenho” ou quando diminuímos o “empenho”. Sendo que a redução do “empenho” tem impacto maior na produtividade do que o incremento do “desempenho”.

A verificação da produtividade, como estamos propondo, está em conformidade com a ideia comum de “fazer mais com menos”.

Em termos de relações de trabalho, será mais produtivo aquele conseguir entregar mais, trabalhando menos.

Lembro-me de uma ocasião em que falava com um funcionário que vangloriava-se de suas longas jornadas de trabalho. Ele dizia que gostava tanto da empresa que chegava antes de todo mundo e ia embora depois de todo mundo. Sem dúvidas, ele trabalhava muito, mas sua produtividade era horrível.

Entendemos que trabalhar demais só significa isso: “trabalho demais”. Sem resultado proporcional, “trabalho demais” é apenas um atestado de boas intenções e de provável incompetência.

Em uma empresa que está crescendo, boas aferições de produtividade podem ser feitas com base no faturamento per capita. Se o faturamento está crescendo mas o faturamento per capita está caindo, há bons indícios de que a empresa está inchando e não crescendo.

Aliás, considerando a visão, em nossa opinião acertada, de Michael Porter que afirma que a competição é sempre pelo lucro, um indicador ainda melhor de produtividade seria o lucro per capita.

Finalmente, sob uma perspectiva puramente econômica, podemos considerar um bom indicador de produtividade a relação entre receita de um negócio sobre gasto total (soma de despesas e custos) em um período.

Há uma infinidade de aplicações para essa ideia. Podemos tentar estabelecer, por exemplo, alguma medida de resultado confrontada com a quantidade de tecnologias que o time conhece ou domina para garantir que o “conhecimento” está sendo aplicado suficientemente.

Ao CTO cabe a responsabilidade de definir produtividade para as necessidades da organização, conforme seu perfil de atuação. Também cabe ao CTO estabelecer uma meta desafiadora para favorecer o surgimento de lideranças. A ideia é preservar a maximização de um medida em proporção a outra.

Definir a visão de produtividade apropriada, junto com uma meta audaciosa associada, tem o poder de transformar uma organização.

The main thing is to to keep the main thing the main thing. (Stephen Covey)

Que visões de produtividade você consideraria apropriada para sua organização?

Elemar Júnior

Microsoft Regional Director e Microsoft MVP. Atua, há mais de duas décadas, desenvolvendo software e negócios digitais de classe mundial. Teve o privilégio de ajudar a mudar a forma como o Brasil vende, projeta e produz móveis através de software. Hoje, seus interesses técnicos são arquiteturas escaláveis. bancos de dados e ferramentas de integração. Além disso, é fascinado por estratégia e organizações exponenciais.

Talvez você goste também

Carregando posts…

Mais posts da série Manual do CTO

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *